Eu sou a Universal Universal

Minha história

Nós somos responsáveis pelo sucesso ou fracasso e mais ninguém. Tudo depende de nós!

Adriano Balby enfrentou a fome, o desemprego e problemas que pareciam não ter solução. Ele é a Universal!

Qual é a maior dor que somos capazes de suportar?

A dor de uma queda?

A dor de uma perda?

A dor da fome?

Adriano Silvério Balby de Araujo – ou apenas Balby, como é conhecido – já encarou estas e outras dores.

Nascido em Natal (RN) há 37 anos, Balby é atleta profissional e professor de MMA – sigla em inglês para artes marciais mistas –, de jiu-jítsu e de muay thai e campeão de torneios internacionais. Mas, tanto no ringue quanto na vida, ele já precisou encarar dores que poucos suportariam.

Primeiro round

Desde os 5 anos, Adriano já brincava de luta com os amigos. Em meados de 1996, começou a praticar o caratê, e depois jiu-jítsu e tae kwon do.

Balby luta desde 1998, mas se profissionalizou apenas em 2010. Seu objetivo era competir internacionalmente.

Ele começou a dar aulas em 2008, depois de se graduar faixa preta.

 Segundo round

Adriano explica que, enquanto para o atleta normal basta treinar uma vez por dia, um esportista de alto rendimento precisa se submeter a duas ou três sessões de treinamentos diariamente.

A alimentação também precisa ser regrada, com a ingestão de vários suplementos definidos por nutricionistas.

É uma rotina que exige dedicação, muito empenho e muitos sacrifícios, principalmente para quem, como ele, participa ativamente da vida familiar.

 Jab de direita

Mas, além das lutas, Balby já apanhou bastante da vida: enfrentou a fome, o desemprego e problemas que pareciam não ter solução.

“Quando eu cheguei na Igreja Universal, morava nas ruas, estava separado da minha esposa, minha família tinha me abandonado”, conta o lutador. Em decorrência do uso de drogas, eu passei a ser muito violento e problemático”, explica.

O atleta lembra que estava “sem um real e com apenas uma peça de roupa. Foi assim que eu cheguei. Durante o período da manhã e da tarde eu ficava na Igreja porque me sentia bem no local e à noite voltava para as ruas”.

“Fiz amizade com o pastor da igreja, que sempre me orientava. Assim, fui aprendendo que tinha que mudar. Eu entendi que ou eu morria, ou eu seria preso. Comecei a compreender que Deus tinha que ser o primeiro na minha vida e assim houve a minha libertação das drogas, da prostituição e de toda agressividade”, relata.

No alto do pódio

Adriano venceu todas essas situações graças à fé em Deus. Ele afirma que “nós somos responsáveis pelo sucesso ou fracasso e mais ninguém. Tudo depende de nós”.

Assim, tornou-se campeão no esporte, com vitórias internacionais na China e na Sérvia. Hoje, ele é faixa preta no segundo grau de  jiu-jítsu e faixa marrom de luta livre Prajied Preto de muay Thai.

Vitorioso em cinco categorias (120kg, 110kg, 93kg, 84kg e 77kg), Adriano costuma dizer que não quer parar por aí: como professor, deseja formar mais campeões, um time maior e mais forte, dedicado ao MMA.

Adriano Silvério Balby de Araujo, no tatame e na vida, suporta dores que poucos aguentariam. Ele é campeão internacional de MMA, professor e pai exemplar. Ele é a Universal!

Comentários